Após novas evidências de pagamento de propina pela Odebrecht a políticos, incluindo, segundo a Polícia Federal, o ex-presidente Lula, o ex-presidente da empresa Marcelo Bahia Odebrecht, resolveu fechar acordo de delação premiada com a justiça federal.

Ao todo serão mais de 50 executivos da Odebrecht que serão ouvidos nas delações pelos procuradores responsáveis pela Operação Lava Jato. A informação chegou a Brasília como um “tsunami”, posto que, diversos nomes da política nacional, todos influentes, poderão ser delatados. A expectativa é que a “rede” da Federal “pesque” os principais líderes dos maiores partidos do Congresso.

Em delações que já começaram a ser ouvidas pelos procuradores, segundo o jornal O Globo, nomes como do atual presidente Michel Temer (PMDB), José Serra (PSDB), Geddel Vieira Lima (PMDB), ex-ministros Palocci e Eliseu Padilha foram citados. As delações ocorreram em São Paulo, Curitiba, Brasília e Salvador e, ao todo, deverão contar mais de 60 delatores.