Imagem ilustrativa

As principais instituições financeiras do Brasil passaram a anunciar novas taxas de juros para crédito imobiliário. Bradesco, Santander e Banco do Brasil alinharam suas condições às estabelecidas pela Caixa e acirraram a disputa nas linhas de financiamento com recursos da caderneta de poupança. O Itaú Unibanco não alterou suas condições, mas já estava em linha com as da Caixa.

O especialista em finanças Marcos Melo afirma que essa é uma boa notícia para o consumidor. Ele explica que as vantagens beneficiam tanto quem quer comprar um imóvel, como quem quer vender.

“Para que você possa comprar o seu imóvel, você agora vai pagar menos do que pagaria se tivesse iniciado no passado. Então, isso é muito bom do ponto de vista de quem pretende comprar um imóvel, mas também para aquele que pretende vender o imóvel. Ou seja, de pessoas que, com os recursos dos bancos de crédito imobiliário passam a ter melhor acesso e, assim, ter maior quantidade de pessoas que possam a vir se interessar e a ter a possibilidade de comprar o seu imóvel.”

Ainda segundo Marcos Melo, a redução dos juros imobiliários é consequência das quedas constantes na taxa básica de juros, a Selic, que atualmente está em 6,5%.

O realinhamento dessas condições estipuladas pelas instituições financeiras ocorre em um momento de ascensão do mercado imobiliário. A previsão, segundo especialistas, é de aumento no volume de financiamentos. A tendência se dá com o reforço do crédito imobiliário e nos empréstimos para pessoas físicas.

Vale lembrar que as novas taxas são as mínimas e, para conseguir esse desconto, o interessado tem que se submeter a uma série de condições, entre elas, uma maior fidelidade com a instituição bancária.

 

Da Redação: Rafa Nunes

Reportagem, Marquezan Araújo