Uma ação deflagrada nesta sexta-feira (14) em Lauro de Freitas, região metropolitana, culminou com diversos mandados de prisão cumpridos por policiais do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco). Ao todo foram cumpridos nove mandados de prisão contra traficantes que concentravam suas atuações em Lauro de Freitas.

Apreensões

A operação culminou, ainda, com a apreensão de duas armas, sendo um revólver calibre 38 e uma pistola 380. Com os acusados a polícia ainda encontrou e apreendeu dois quilos de cocaína, nove papelotes de maconha pronta para a venda e dinheiro oriundo da comercialização da droga.

Investigações

O delegado que articulou a operação e participou da operação Dr. André García (titular da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes – DTE/RMS) afirmou que a polícia já investigava a quadrilha e possuía muitas informações que apontava para a maneira como os traficantes agiam. Segundo o delegado o indivíduo João Carlos Brito de Araújo – vulgo “Joãozinho” (23) era o responsável pela liderança da quadrilha e organizava, inclusive, as áreas de atuação e recrutamento de novos membros. A irmã de “Joãozinho” identificada como Emanuela Carla Brito de Araújo (24) era uma espécie de contadora da quadrilha que organizava as finanças e prestava conta.

Logística

Como em qualquer outro negócio organizado o esquema de tráfico liderado por “Joãozinho” também possuía um serviço de logística para armazenamento e estoque da droga. Esta parte, segundo o delegado, era comandada por Ivalson Luís Portela Maia Júnior (21) que tinha um segurança particular que cuidava de “proteger” a droga. Esse segurança particular era Giovane Noronha Teixeira vulgos “Gordo” e “Popó” (33) conforme investigações.

O veterano da quadrilha José Almeida do Nascimento Filho (48) era quem fazia transporte e cuidava da parte de “relações públicas” ou seja, cobrava a dívida de quem era cliente da “boca” e não pagava.

A venda na rua era feita e também articulada pelo famoso “aviãozinho” de traficante identificado por Janderson Souza dos Santos – vulgo “Jan Jan” (21). A boca era supervisionada por um indivíduo que cuidava de fiscalizar o negócio conhecido como Luan de Souza Gomes – vulgo “Preá” (22).

Elemento surpresa

O nono envolvido na quadrilha foi preso dentro da cadeia, pois, já cumpria pena por tráfico, mas lá de dentro do presídio articulava e comandava junto com o líder “Joãozinho” – trata-se de Wilton Freire Bonfim Magalhães Júnior – vulgo “Dupão” (22).

Com essa ação a polícia credita ter enfraquecido uma das maiores bocas do tráfico de drogas em Lauro de Freitas. Todavia, um longo percurso ainda precisa ser vencido nesta guerra diária contra traficantes que agem na Região Metropolitana de Salvador.