Servidores Públicos Municipais do município de Malhada, sudoeste do estado, protestaram nesta segunda-feira (07) fechando a prefeitura e o Sindicato dos Servidores Públicos de Malhada (SINSPUMMA). Os protestos tiveram início na última sexta-feira (04) quando professores perceberam que os seus respectivos salários foram reduzidos e o presidente do Sindicato não fez nada para questionar as motivações das reduções dos salários por parte da administração.

Foto|Reprodução|Facebook
Foto|Reprodução|Facebook

Os professores e demais funcionários desconfiaram que o presidente do Sindicato – Juvenal Júnior e o prefeito Gimmy Everton Mouraria Ramos (PT) estavam numa espécie de conluio para fazer os supostos esquemas. Os próprios servidores passaram a questionar os atos do presidente do Sindicato que fez empenhos sem consultar a mesa diretora e não prestar contas dos gastos.

Foto|Reprodução|Facebook
Foto|Reprodução|Facebook

Após os servidores ocuparem a sede do Sindicato e pressionarem o presidente ele foi obrigado a retirar um extrato das contas do órgão e logo veio a surpresa com o valor de apenas R$ 1.060,00 em conta. A prefeitura não estava repassando ao Sindicato o valor descontado dos funcionários de contribuição sindical e o presidente era omisso. Outro fator é que a contribuição por parte direta dos funcionários também não estava em conta.

Os servidores junto com um vereador de nome Mário Zan Fernandes (DEM) ocuparam o prédio da prefeitura e exigiram a presença do prefeito para explicar os motivos de redução dos salários dos servidores. Após momentos de tensão o prefeito chegou com vários seguranças e aceitou falar apenas com alguns servidores excluindo da reunião o vereador e o próprio presidente do SISPUMMA.

Fechando sindicato com arame
Fechando sindicato com arame

O clima no município é de indignação e revolta por parte de moradores e servidores. Servidores que atuam como garis e demais serviços gerais estiveram na sede do Sindicato e lacraram com arame farpado para evitar que continue os trabalhos considerados fraudulentos do presidente Juvenal e do prefeito Gimmy Everton. Nossa equipe não conseguiu localizar a assessoria do Sindicato e nem mesmo do prefeito para darem suas versões.