Política: Com recursos escassos, Lula pode ser preso em até dois meses

0
5413
Foto: Divulgação redes sociais

A condenação unânime, em 2ª instância, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou o petista com a “corda no pescoço”. Com direito a apenas um tipo de recurso, meramente protelatório, Lula, no pior dos cenários, pode ser preso em até dois meses. Isso porque o desembargador Leandro Paulsen, presidente da 8ª turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), ordenou que o cumprimento da pena em regime fechado se dará após a análise de todos os recursos possíveis.

A condenação pelo placar de três a zero tirou de Lula o direito de usar os embargos infringentes, recurso que pede a prevalência do voto perdedor sobre os votos vencedores, o que poderia mudar o resultado do julgamento. Agora, resta ao petista apenas os embargos declaratórios, apelação limitada a esclarecimentos sobre a sentença.

Para o juiz federal aposentado e professor de processo penal Pedro Paulo Castelo Branco, o cenário para o ex-presidente é desanimador. Segundo o jurista, para não correr o risco de ser preso, Lula precisará conseguir na Justiça um habeas corpus preventivo.

No entanto, a condenação de Lula, com a possibilidade da prisão, abriu a discussão sobre um entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal, em 2016. A Corte que havia declarado possível o cumprimento de pena após decisão colegiada, em 2ª instância, é pressionada a mudar o parecer até mesmo por ministros do próprio Supremo.

Caso a decisão seja revisada pelo STF, até mesmo a Lei da Ficha Limpa seria afetada. Hoje, condenados em 2ª instância são enquadrados pela legislação, que afetaria o ex-presidente em caso de candidatura. Com a mudança, Lula estaria livre para postular qualquer cargo público.

 

Da Redação: Rafa Nunes

Reportagem: João Paulo Machado

Fonte: Agência do rádio