Uma verdadeira crise desponta como avalanche entre muitos produtores rurais e proprietários de terras em Guanambi e região. Algumas destas pessoas procuraram nossa reportagem para informar sobre uma situação grave e complicada, envolvendo o Parque Eólico e a Renova Energia. O que ocorre é que quando foram instaladas as torres eólicas, do respectivo parque, pela Renova Energia, as propriedades rurais foram alugadas e os contratos estipularam um valor mensal de acordo a quantidade de torres em cada terreno. Porém, não está sendo cumprido nos últimos meses o acordo por parte da empresa Renova Energia.

Segundo os proprietários que nos procuraram, há mais de três meses a Renova não efetua os pagamentos. O problema é bem maior para algumas pessoas que possuem como única renda esse contrato, posto que, deixaram outras atividades logo após alugarem suas propriedades para a empresa.  Uma cláusula contratual veda a exposição do contrato e da empresa por parte dos proprietários, deste modo, ficam sem poder manifestarem-se. Diante disso a saída foi buscar a imprensa, sem revelarem suas identidades, usando do princípio de sigilo da fonte.

Atividades como criação de gado, agricultura familiar e outras, especificamente rurais, foram totalmente abandonadas por estas pessoas, que, aliás, passam a depender apenas deste recurso. Informações de fontes sigilosas nos afirmam que a empresa enfrenta dificuldades financeiras e já havia até ensaiado a venda de parte do Parque Eólico para investir numa segunda etapa.

Nós procuramos a assessoria da Renova Energia em Caetité e a responsável local nos encaminhou para falar com o assessor de imprensa em Salvador. O mesmo afirmou que estaria passando, posteriormente maiores informações, mas confirmou que a empresa passa por um processo de reestruturação, com novo sócio e, que enfrenta dificuldades financeiras. O mesmo ainda disse que não sabe precisar, mas acha que três meses é muito tempo e que ele não tem certeza se é realmente esse período. Enquanto não se resolve o problema fica uma incerteza para os proprietários dos terrenos se terão ou não dinheiro para garantir o sustento da família nos próximos dias.

1 COMENTÁRIO