O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas através de relação sexual. Uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que 290 milhões de mulheres no mundo vivem com a doença, sendo 70% infectadas pelos tipos 16 e 18, que são de alto risco para o desenvolvimento de câncer do colo do útero. Por isso, a vacina contra HPV é a principal forma de prevenção contra o aparecimento do câncer do colo de útero. Nos homens a vacina protege contra os cânceres de pênis, orofaringe e ânus. Além disso, previne mais de 98% das verrugas genitais e doenças de difícil tratamento. No Brasil, a vacina é oferecida gratuitamente pelos serviços de saúde pública para meninas de 9 a 14 anos, e para os meninos de 11 a quatorze anos.
A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, explica como funciona a vacinação
“Esquema vacinal é de duas doses com intervalo mínimo de seis meses entre cada dose. Então quem tomou a vacina no primeiro semestre, agora é o momento de estar tomando a segunda dose. Lembrando que nós estamos fazendo uma mobilização para chamar atenção da necessidade de voltar a receber essa segunda dose agora a partir do mês de setembro. Porque só completando o esquema vacinal, ou seja, recebendo as duas doses é que esses adolescentes estarão devidamente protegidos”.
Ainda de acordo com Carla Domingues, o adolescente que está na fase de tomar a vacina, precisa receber uma dose. Apesar disso, mesmo que já tenha tomado à primeira dose a mais de seis meses, não é preciso recomeçar o processo, basta tomar a segunda dose para ficar protegido.

Reportagem | Janary Damacena

Da Redação | Rafa Nunes