Imagem ilustrativa

O processo de produção de empresas do setor industrial evoluiu com o avanço da tecnologia; novos processos agilizam as atividades e a produção de empresas; as principais nações industrializadas têm inserido o conceito da Indústria 4.0 em suas estratégias para aumentar competitividade; a Indústria 4.0, também conhecida como quarta revolução industrial, é a incorporação, em larga escala, de tecnologias digitais voltadas para o processo de produção das empresas.

O Gerente-executivo de Política Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Gonçalves, explica a importância e como isso irá afetar as empresas: “A combinação dessas tecnologias na produção industrial vai ter um enorme impacto em competitividade, em aumento da produtividade e aumento da qualidade, e a tendência é que assim como ocorreu com as revoluções industriais anteriores, a chegada dessas novas tecnologias torne a forma tradicional de produzir crescentemente obsoleta”, defende.

Esse movimento se torna cada vez mais presente no Brasil. No país, uma das áreas que já tem a Indústria 4.0 inserida nos processos de produção é o setor automobilístico. Um exemplo disso é a fábrica da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), localizada em Betim, em Minas Gerais.

A empresa faz o uso da tecnologia para ter mais produtividade e eficiência na fabricação de veículos. Para isso desenvolveram o laboratório Manufacturing 2020, que é composto por plataformas dedicadas ao experimento de novas tecnologias ao reproduzir no meio digital cenários reais. É o que explica o Coordenador do Manufacturing2020 da FCA, Marcelo Lima.

“Quando a gente fala do Manufacturing2020, trazemos essas tecnologias para serem empregadas aí, aumentando qualidade, melhorando e trazendo inovação para os nossos processos. Hoje, temos softwares desde o momento em que estou desenhando a matemática do produto, desenhando o design do meu carro, até a etapa onde sai o meu primeiro carro da manufatura, da montagem final. Com esses softwares, conseguimos interagir através de realidade virtual, sendo imersiva ou totalmente imersiva para que termos o mais próximo, é o chamado conceito do digital twin [gêmeo digital], então a gente consegue fazer com que o meu processo esteja idêntico, semelhante ao meu processo virtual”, afirma.

A CNI enviou aos candidatos à presidência da República um estudo que reforça a necessidade da preparação de profissionais para esse mercado e de absorção das tecnologias pelas empresas. O documento destaca as transformações na gestão empresarial. Por exemplo, a necessidade da cooperação entre as áreas de Tecnologia da Informação e as de produção, para que as empresas desenvolvam e aperfeiçoem seus modelos de negócio. Ainda de acordo com o arquivo, a capacidade de a indústria brasileira competir internacionalmente dependerá da reação das empresas e da habilidade do governo, em parceria com o setor privado, de favorecer a transformação através do uso da Indústria 4.0.

 

Reportagem | Paulo Henrique Gomes

Da Redação | Rafa Nunes